A explicação do amor astutamente feminino

João Céu e Silva
Diário de Notícias, 01 de Novembro 2003

Estamos perante um livro que tem uma característica muito pouco divulgada em Portugal, a de não se envergonhar em usar o País como cenário da sua acção. Neste caso, a autora não tem problemas em ir buscar o Alentejo para colocar os protagonistas a palmilhar terras quentes e com história. Não é que essa situação seja virgem, mas quase nunca se verificou sem o objectivo de fazer um aproveitamento das suas cores políticas ou por facilitar o enquadramento da acção e da escrita em tão belas planícies.

O Princípio da Atracção não vai por aí. Não é que se esqueça das ocupações de terra do pós 25 de Abril mas o seu fim é muito mais profundo. E é nessa busca que faz uma outra opção também há muito esquecida pelos nossos escritores, que é o de explicar o que é a alma portuguesa.
O sentimento nacional de achar que tudo o que é bom passa-se para lá da fronteira é contrariado ao longo destas quase quatro centenas de páginas. Disso encarrega-se a personagem Laura que, ao centralizar a acção do livro, oferece-nos um passaporte para outros países e civilizações e meios para comparar.
E Laura não vai para essas outras bandas do mundo de forma gratuita. É certo que existe um sonho que tem forma a astronomia que a deixa descair pelo lado redondo da Terra, até confirmar que a visão das suas estrelas se vai modificando conforme o local de onde se as observa.
Mas o grande achado deste livro – um primeiro romance – é a permissão para acompanhar o crescimento de três adolescentes, uma portuguesa e dois ingleses. Um verdadeiro traveling cinematográfico que nos prende de um parágrafo para o outro até encontrarmos o desenlace que a maturidade dos intervenientes acaba por exigir. Um longo folhear que nunca nos faz desanimar por estar bem contada e repleta de um suspense astutamente feminino.

O livro de Teresa Direitinho tem a particularidade de nos facilitar o entendimento da paixão. Como ela surge – minha curta experiência de relacionamento com o sexo oposto – como ela evolui – Vou continuar a andar à procura de muita coisa – na mulher.

Por isso, chega-se ao fim com um óptimo guia para entender os vales e montes que as emoções e o amor percorrem, mesmo que nascidos em rasa planície do Sul.


Comments are closed.